Blogueira Paty Ziul comenta sua visita em Capitólio, o paraíso de Minas Gerais

Como boa mineira que sou amo Minas Gerais, e o destino escolhido dessa vez foi Capitólio.

Um dos destinos brasileiro cada vez mais em evidencia, Capitólio é cheio de belezas naturais e com direito a Canios. Dessa viagem quero mostrar a vocês por onde andei e o que vi por lá.

Saímos de São Paulo as 1 A.M. e chegamos lá por volta da 7h30 da manhã, foi uma viagem tranquila, porém no mesmo dia fizemos o primeiro passeio.
Nos encontramos na agência, onde fomos muito bem recepcionados pela equipe.
Lá tem todo serviço para a viagem tornar se mais aconchegante, aliás podemos pegar um coller emprestado e lógico comprar gelo e bebidas na loja da agência que tem um preço muito bom.


#1 Mirante

Com acesso fácil e paisagem é incrível o Mirante do Canion é a região mais famosa de Capitólio, então anote na sua lista. Apesar de ser fácil de chegar o mirante é mal sinalizado, pra chegar você deve ir pela rodovia MG 050, pegar o acostamento de começar uma trilha de 100m até o mirante.

capitolio-patyziul-2018 (22)
FOTO @adbrisa142

#2 Passeio por Furnas

Um dos passeios obrigatórios de Capitólio é passeio pelo lago de Furnas, que pode ser feito de escuna, chalana ou de lancha, que levam a lugares paradisíacos.

Nosso tempo foi curto na região do Lago de Furnas, já que tivemos 3 dias para conhecer as principais atrações do destino, não vistamos tudo, mas pesquisei o passeio que seria mais legal.

capitolio-patyziul-2018 (2)
FOTO @adbrisa142
capitolio-patyziul-2018 (36)
Foto @adbrisa142

Um dos passeios obrigatórios de Capitólio é passeio pelo lago de Furnas, que pode ser feito de escuna, chalana ou de lancha, que levam a lugares paradisíacos.

Nosso tempo foi curto na região do Lago de Furnas, já que tivemos 3 dias para conhecer as principais atrações do destino, não vistamos tudo, mas pesquisei o passeio que seria mais legal.

 

#3 Paraíso Perdido

Com 3 ribeirões, 18 piscinas naturais e 8 cachoeiras cristalinas você encontra na cidade. Durante o passeio você passa perto das paredes dos canyons

capitolio-patyziul-2018 (28)
No passeio 4×4 exploramos 2 cachoeiras:
Cachoeira Fecho da Serra
Cachoeira da filo
Canyon da hidrelétrica
E para finalizar lagoa azul canyons.
Lógico que podíamos explorar mais e mais porém, as duas Cachoeira foram tão maravilhosas que para tirar nós de lá foi difícil.
capitolio-patyziul-2018 (10)
capitolio-patyziul-2018 (7)capitolio-patyziul-2018 (8)
capitolio-patyziul-2018 (9)capitolio-patyziul-2018 (11)capitolio-patyziul-2018 (12)
No segundo dia tínhamos agendado o passeio de lancha na mesma agência, que tem parceria com www.capitoliopasseiodelancha.com.br
Trajeto do passeio:
– Saída de Escarpas ou da Ponta do Sol;
– Navega em volta de Escarpas;
– Passa em frente a casa do cantor Gustavo Lima , a casa que era do Eduardo Costa;
– Canyons;
– Cascatinha;
– Lagoa Azul;
– Vale dos Tucanos;
– Cachoeirinha da Ilha.
Bares flutuantes que passamos:
– Bar Flutuante do Kanto da Ilha;
– Porto Escarpas;
– Bar Flutuante da Lagoa Azul.
capitolio-patyziul-2018 (31)capitolio-patyziul-2018 (33)capitolio-patyziul-2018 (34)
E também:
– Restaurante e choperia Kanto da ilha
Onde almoçamos muito bem!
No terceiro dia fomos explorar os canyons por conta própria e lógico fazer as melhores fotos.
Infelizmente nossa viagem foi mega curta, mas posso dizer que o suficiente para renovar as energias, sendo que a natureza tem esse poder de revigorar.
Mesmo que você não tenha muitos dias, vale a pena fazer o mesmo que fizemos, pois tão pouco, mas inesquecível.

Como chegar em Capitólio

Capitólio fica na região Sudoeste de Minas Gerais, às margens da MG-050 e os aeroportos principais mais próximo ficam em Belo Horizonte, cidade que está a 283 km de distância. Eles recebem voos diários a partir de várias cidades do Brasil
De ônibus, a Viação Gardênia faz a linha BH x Capitólio, mas tem outras opções saindo de São Paulo, e de carro, o acesso é pela MG-050 (estrada boa com pedágio. As cidades de Pouso Alegre, Alfenas, Varginha, Lavras e Passos são algumas das referências para quem vem de carro de outros lugares.

Beijos, Paty.

CONTATO

Veja os stories pelo instagram @patyziul, deixamos em destaque no perfil.
Dúvidas entre em contato pelo e-mail assessoria@patyziul.com.br

Artigo: Você sabe qual é sua verdadeira escolha?

Neste Texto Adan y Lara te convidam a mergulhar para dentro de si mesmo e repensar algumas escolhas.

Eu tenho um quarto que eu protejo. Um “lugar” em minha mente de onde tenho medo de sair. Mantenho a porta fechada para me sentir seguro.

Parece que tem um senhor que mora comigo. A todo instante ele bate à porta, toca a campainha incessantemente até que eu abra a porta e o convide para entrar. Se ele insiste tanto para entrar, deve ser porque tenho que deixá-lo entrar. É como se ele me trouxesse as respostas para me sentir bem, estando sozinha neste casarão. Nem sempre dá certo, quase nunca na verdade, mas ele realmente conhece minha solidão.

Porém, assim que faço o favor de deixá-lo entrar, ele me exige um banquete para matar sua fome e me sinto obrigada a servi-lo. Às vezes, ele deixa eu comer o resto da comida, às vezes tenho que me esforçar e me sacrificar para merecê-la.

Eu não faço ideia de porque estou neste quarto, não tenho noção de quem sou. A única coisa de que me lembro é que este senhor me dá de comer e, assim, sigo existindo.

Até que eu canso de existir sem saber quem sou e o que faço aqui. Então, cansada e rendida a não querer mais existir e disposta a dizer ao senhor que não mais o servirei, eu abro a porta e me surpreendo com o que vejo. Por trás do senhor Barulhento havia outro senhor que não falava, que somente me mirava com um leve sorriso.

De repente, me dou conta de que ele sempre esteve ali, mas nunca senti vontade de convidá-lo porque sempre tive a certeza de que deveria convidar o senhor Falastrão que toda vez queria entrar, e que de alguma maneira me ressoava desde ali.

Neste instante, o olhar deste outro senhor Silencioso me pareceu tão familiar. E, enquanto mirava diretamente em seus olhos, fui tão profundamente em seu silêncio, que o barulho do velho senhor parecia que estava tão longe, tão longe que mal compreendia o que dizia.

Vagarosamente, saí da frente da porta e imediatamente o senhor Silencioso deu seus passos para entrar. Não precisei dizer uma palavra para que soubesse que havia aberto o espaço para que ele passasse. De alguma maneira ele sabia o que eu queria, o que eu necessitava.

Ele deixou a porta aberta, não fechou como o outro senhor sempre faz. Sempre acreditei que havia algo a temer lá fora, exatamente por manter a porta fechada. Este “novo” senhor estava me ensinando que não havia nada de que ter medo. E o mais incrível é que começou a me ensinar isso sem dizer uma palavra, sem fazer um barulho.

Aquilo tudo era muito estranho para mim. Fiquei meio sem saber o que fazer porque parecia que eu não tinha que fazer nada e isso, surpreendentemente, me incomodava. Quantas vezes eu estive cansada e pedi para o outro senhor para ficar quieta e em paz, mas ele sempre dizia que eu tinha que fazer por merecer.
Que confusão no meu quarto!

Neste quarto que sempre protegi para me sentir segura. Mas que, agora, este senhor me mostrava que este quarto era mesmo uma Antessala de um casarão fechado, antigo e ultrapassado, e que só existia porque eu jamais saí da antessala.

Aí então, eu me perguntei porque eu nunca fui olhar para depois da antessala, mais adentro do casarão?

E com a presença daquele Silencioso senhor, me dei conta de que aquele outro senhor Falastrão estava constantemente me distraindo com seu barulho, me ocupando com suas ideias e afazeres. O espaço estava preenchido todo o tempo por aquele monte de palavras e imagens que se apresentavam como uma ressonância passada, que dialogava diretamente com este alguém solitário, fugindo da dor e em busca de prazer. Tive que assumir que eu por mim mesma sou uma completa insatisfeita. Uma eterna incompleta. Já comecei a achar graça, por que como eu poderia ser eterna e incompleta ao mesmo tempo?

Entretanto, o mais impressionante é que tudo isso somente estava ali porque eu acreditava que era assim. Pois naquele momento, naquele som do silêncio, podia presenciar uma “nova” maneira de ver, de perceber a mim mesmo e a tudo a minha volta.

Isso me assustava! Foi quando perguntei ao Silencioso senhor:

– Por que você nunca entrou antes aqui?

Ele olhou com aquele sorriso pacifico e amorosamente estranho para mim, que me fazia sentir “em casa” ao mesmo tempo, e disse:

– Por que a porta estava fechada.

Pensei comigo que eu sempre abri a porta. E o que, de fato, ele queria dizer com isso?

Foi então, que me dei conta de que eu era o anfitrião. A todo momento…. Eu fazia o convite. Eu assinava o acordo de quem ia entrar ali.

Neste momento, senti tanta vergonha que tive vontade de desaparecer. E,imediatamente, comecei a ouvir o barulho do antigo convidado se aproximando de novo. Foi quando pedi ajuda ao meu novo convidado Silencioso, pois eu não queria mais aquele antigo, porém não sabia como calá-lo. Foi quando o senhor do silêncio me disse:

– A vergonha que sentes é porque acreditavas que algo ou alguém estava fazendo isso contigo e que era uma vítima. Agora, sabes que és responsável por quem convida para entrar, responsável pelo que experimenta. É você quem toma a decisão.

– Ok. – Eu disse – Mas não entendo porque eu estive fazendo isso comigo. Me auto castigando? Sou louca?

– Sim, isso é uma insanidade. Mas o melhor dela é que é uma ilusão. – Disse ele.

– Ilusão?

– Você acredita que está sozinha, não lembra de sua fonte, de seu Criador. Você realmente crê que se separou dele, você se sente culpado por isso e se aprisionou no medo, na morte, na separação e na dor de um sonho que já acabou. Só estou aqui para te lembrar disso e para rirmos juntos.

– Estou sonhando? – Eu disse um tanto assustada.

– Isso não é para você acreditar ou compreender, e sim vivenciar e ver por si mesmo.

– E como saio disso, meu Deus? Ou, seja lá quem for o Senhor.

– Me convide constantemente para entrar e percorrer esse casarão de culpa contigo. – Disse ele – Só isso.

Só isso? Como podia alguém, até então estranho para mim, me passar tanta confiança a ponto de eu encontrar total obviedade em suas palavras, tamanha honestidade em seus olhos e plena leveza em seu sorriso?

O que mais eu poderia fazer? Em um tiro no escuro de absoluta certeza, eu disse:

– A porta está aberta.

Adan Y Lara

 

Sobre Adan Y Lara

São guias de AutoReconhecimento que levam sua experiência do despertar espiritual a diversos países. Adan e Lara sempre foram buscadores de uma conexão direta com a “Fonte”. Desde pequenos, perceberam que havia algo de errado no funcionamento do mundo e já entendiam que não adiantava querer ou fazer nada que pudesse mudá-lo. Então, compreenderam que a única mudança estava dentro deles, para a qual era necessária uma nova percepção, que só seria possível quando soubessem quem realmente são.

 

Siga Adan Y Lara nas redes sociais:

 

Instagram: https://www.instagram.com/portal.reencontrese/

Facebook: https://www.facebook.com/PortalReencontreSe/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCSDCxW4JfiF5dunMMp2aUDA