Leve a natureza para a sua sala e cozinha

A busca por ambientes que tenham o aspecto da natureza está em alta no mundo da decoração. Pensando nisso, a arquiteta Lívia Quintella através da mistura do estilo rústico com a natureza insere o toque de aconchego e leveza para a sala e cozinha permitindo muito mais personalidade no espaço.

“A pegada rústica trouxe através da mesa e buffet com a madeira de demolição e o revestimento em tijolinho. Já a ligação com a natureza vem com a implementação do tom verde mais fechado e com a brincadeira de pintar a porta de azul para ressaltar a tonalidade da madeira. O perfil desse projeto é para clientes que goste de natureza”, explica a profissional.

Para intensificar o clima de aconchego, o projeto visou sobretudo levar elementos pessoais do cliente através do letreiro em neon escrito “wanderlust” que tem um significado muito especial para a dona do apartamento.

No projeto de Lívia Quintella a iluminação tem grandes funcionalidades: trazer foco para a estante de espelho com metalon através da iluminação direta e levar um rasgo de iluminação para a sala através da forma indireta. 

Foto: Raiana Medina 

Conheça Jefferson Fagundes: empreendedor que ensina pessoas comuns a ganharem dinheiro na internet



Empreendedor desde os 16 anos, Jefferson Fagundes abdicou de sua empresa de eventos, que era considerada uma das maiores do Sul do país no ramo de entretenimento estudantil, e passou a dedicar a sua vida ao empreendedorismo digital. 

O gaúcho de Porto Alegre já possui mais de 205 mil seguidores em seu Instagram e é considerado como uma das principais referências em conteúdo gratuito de dropshipping e Facebook ADS para e-commerce no Instagram. 

Atualmente ele gerencia operações de dropshipping através de sua empresa, a 4Ecom Brasil, que conta com mais de 10 funcionários ativos. O Jefferson também dedica parte do seu tempo para ministrar mentorias e criação de conteúdo gratuito.

Saiba mais sobre Jefferson Fagundes visitando seu Instagram:  https://instagram.com/jeff.ecom/



O suicídio é culpa da humanidade

Por Luca Moreira.

Sem dúvidas, uma das maiores doenças e sofrimentos da sociedade em seu período atual é  a depressão,  que leva muitos ao suicídios,  e tem sido classificada como a segunda maior causa de morte no mundo inteiro e a quarta no Brasil. Muito se é levantado sobre  o que leva uma pessoa a querer tirar a própria vida. Porém, já pararam para pensar que ao mesmo tempo que nos questionamos diante dos fatos apresentados, a negligência humana pode ser um dos maiores equívocos para o aumento desses casos com nossos jovens? Que a sua atitude e reação podem ser os responsáveis por salvar alguém que esteja entre a linha limite entre a vida e o abismo?

De acordo com uma publicação feita pelo Estado de São Paulo em setembro de 2018, a cada 45 minutos, um brasileiro comete um atentado contra sua própria vida, já no mundo, a situação é ainda mais alarmante, com um suicídio a cada 40 segundos. Mas o que será que está causando isso?

O ato do suicídio é considerado por suas vítimas como um experimento de alívio, pois ao acreditarem que são culpadas por todos os seus problemas em relação ao mundo, possuem a visão de que encontrarão na morte uma saída para suas frustrações. Nos minutos que antecedem esse ato, o pensamento dos portadores desse sentimento, passam por uma queda de autoestima, acreditando que não são bem-vindas ao mundo e que por isso são consideradas “desentendidas”.

Caso você encontre alguma pessoa passando por problemas que agravem um quadro de depressão ou comportamentos suicidas, é recomendado auxilia-lo com cautela, direcionando-o para uma ajuda psicológica. O CVV (Centro de Valorização da Vida), também disponibiliza o número 188 para quem precisar de um aconselhamento ou apenas de alguém para conversar.

As mídias para o bem e para o mal:

A série de ficção “13 Reasons Why”, produzida orginalmente pela Netflix, retrata um processo importante de ser entendido em relação ao suicídio: essa decisão não é imediata, e sim, ela vem de um grande acúmulo de situações e experiências que perseguem a vida dessa vítima.

Sena da segunda temporada de “13 Reasons Why” (Reprodução/Netflix)

Ainda esse ano, na Malásia, uma caso foi compartilhado entre os internautas, em que uma menina de 16 anos, realizou uma enquete em seu Instagram, onde perguntou aos seus seguidores se ela deveria se matar ou permanecer viva, e cerca de 69% das respostas, foi optando a levá-la ao suicídio, que aconteceu pouco depois da postagem.

 Para que possamos acabar com essa epidemia, e mais importante, preservar a vida humana, é necessário que cada pessoa se solidarialize e esteja disposta a ouvir aquele que está próximo, pois grande parte dessas vítimas não foram acudidas no momento em que estavam pondo a própria vida em risco.

Muitas vezes, por estarem cercados de uma tecnologia que tem uma presença excessivamente ativa, as mídias digitais acabam por possuir bastante influência na vida dessas pessoas, seja de forma conscientemente ou inconscientemente, e assim fazendo uma apologia a deepweb. A comunidade virtual tem o seu lado atraente e o seu lado obscuro.

Um caso muito conhecido em janeiro de 2013, foi o fenômeno “Baleia Azul”, que surgiu em uma rede social da Rússia, onde jovens eram orientados a se atormentarem psicológica e fisicamente, onde o seu destino final seria a morte forçada. Esse caso foi responsável por aproximadamente 100 casos de suicídio pelo mundo inteiro. No Brasil, o fenômeno teria deixado vítimas nas regiões de Mato Grosso, Minas Gerais, Bahia, entre outras regiões. Por um outro lado, no começo deste ano, o Instagram e o Facebook, liberou uma função onde a busca por assuntos relacionados ao suicídio, agora estão sendo protegidos pelo Instagram. Sempre que forem pesquisados, uma “ajuda” é oferecida às pessoas que possam supostamente estar passando por esses problemas. O aplicativo oferece ajuda como recursos de conversar com um amigo, contatar a central de valorização da vida e até mesmo dá dicas de como fazer para aproveitar a sua vida ao máximo.

Sobre Luca Moreira:

Luca Rocha Moreira nasceu em Niterói – RJ, no dia 14 de maio de 1998. Descendente de família mineira por parte de mãe, é filho da funcionária pública Lucia Maria Rocha da Silva e do designer gráfico Luiz Carlos Falcão Moreira. Estudou a infância toda em rede particular de ensino e durante o ensino médio, cursou integração com técnico em engenharia naval pela Escola Técnica Estadual Henrique Lage, unidade componente da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro, onde participou de diversos protestos relacionados ao grêmio estudantil.

Enquanto estava cursando a escola, iniciou um curso de interpretação teatral na Oficina Social de Teatro, onde teve seu primeiro contato com as artes cênicas, onde recebeu aulas do ator e professor Alécio Abdon, porém se retirou do curso por motivos de dificuldade em interpretar seus personagens. Ainda no segundo grau, montou uma página no Facebook, onde começou a falar de múltiplos assuntos, entre eles esportes, nutrição e cultura. Em março de 2016 foi descoberto pela produtora teatral Grazi Luz, dona da Fazart Produções Artísticas, quando recebeu seu primeiro convite para ser aprendiz de comunicação da companhia, ainda que com 17 anos.

Seu interesse pelo jornalismo teve início alguns meses após sair da produtora, quando começou a publicar artigos no “Almanaque Mídia” na época comandado por Esdras Ribeiro. Algumas semanas depois do fechamento do portal, foi abordado pelo jornalista brasiliano Daniel Neblina, que o convocou para integrar o time de colunistas do “RegistroPop”, onde despontou como entrevistador-chefe do veículo, foi aí que iniciou sua carreira como jornalista. Fundado em dezembro de 2017 e lançado em janeiro de 2018, após o ano novo, o site Luca Moreira, estilizado apenas como “LM”, foi o ponto alto onde tudo passou a se desenrolar e o primeiro projeto original e criado por conta própria. No início, ele foi pensado apenas para ser um formato de sites de entrevistas somente, seguindo o conceito do blog CJ Martim em São Paulo, mais para manter o público crescendo, o projeto teve de se expandir e buscar parcerias. Hoje em dia, o site também tem função pessoal em poder aplicar as técnicas que fui desenvolvendo na faculdade.

“TOP BAZAR Eu Quero…” edição de julho, é opção de passeio com as crianças durante as férias

O bazar que se consagra por ser itinerante e promover pequenos, mas também renomados expositores, acontecerá dias 19 e 20 de julho, no Vilashop Catarina, na Vila Mascote.

Os índices de desemprego, e de profissionais que desistiram de procurar uma recolocação, só aumentam, e foi pensando em uma forma de apoiar os que decidiram investir na informalidade, que a empresária Mônica Negrão e o empreendedor Léo Delamusique, criaram o “TOP BAZAR Eu Quero…”, bazar itinerante que, mensalmente, reúne expositores com os mais diversos produtos, para todas as classes. 

No mês de julho, e vislumbrando ser uma opção e passeio com a criançada, de férias escolares, o TOP BAZAR acontecerá em um mini shopping, localizado na zona sul de São Paulo, com infraestrutura de diversão para os pequenos.

O Vilashop Catarina, localizado na Av. Santa Catarina, 1889, no bairro de Vila Mascote, foi escolhido pelos organizadores do TOP BAZAR por oferecer infraestrutura de estacionamento, praça de alimentação, segurança e, claro, um espaço para a criançada se divertir, a Vila das Bolinhas, além de possuir cerca de 55 lojas fixas, o que é mais um atrativo para os visitantes.

“Para esta edição, estamos trazendo expositores com produtos artesanais autorais, decoração, bijus, acessórios e itens de ticket médio mais acessível, se comparado a edição realizada na Vila Olímpia”, afirma Mônica Negrão, idealizadora do “TOPBAZAR Eu Quero…”.

“Um estudo de local é feito, pesquisa de público, assim sabemos, com certeza, quais expositores ter em cada edição e em cada local”, explica Léo Delamusique.

O “TOP BAZAR Eu Quero…”, vem se destacando frente a outros bazares, pelos investimentos feitos pelos organizadores em divulgação, assessoria de imprensa e convite a personalidades e influenciadores que, além de divulgarem o bazar, comparecem para agitar, para fotos e, claro, compras.  

“Em nossa última edição, tivemos a presença de Rita Cadillac, no dia do aniversário dela, inclusive, da Aritana Maroni, Ronan Oliveira, da Masterchef Imaculada e da cantora Adryana Ribeiro. Nenhum outro bazar oferece a infraestrutura de divulgação que temos, ressalta a assessoria de imprensa do “TOP BAZAR Eu Quero…”. 

Para a edição de julho, que acontece nesta sexta e sábado, a MasterChef Imaculada fará uma presença VIP para fotos com os presentes, além de degustação do seu famoso cuscuz paulista de legumes e palmito. Outro ponto alto do TOP BAZAR Eu Quero…, será a exposição e venda de carrinhos HotWheels raros de todo o mundo.

O TOP BAZAR Eu Quero…, ainda tem uma ação social, junto a entidade Ser Especial que proporciona escola, profissionalização, moradia e insere no mercado de trabalho pessoas com necessidades especiais. Desde a primeira edição, decidimos que, parte da verba arrecada com a locação dos espaços, aos expositores, seria revertida para a Ser Especial, ressalta Mônica Negrão.

Quando: 19 e 20 de julho, sexta e sábado, das 9:30 as 20:00 horas.Onde: VilaShop Catarina – Av. Santa Catarina, 1889, no bairro de Vila Mascote, próximo ao Jabaquara

O poder da sua aparência

Imagem é fundamental, seja para conquistas pessoais ou profissionais, o que você expressa através da sua aparência faz diferença. Diante disso, a contratação de uma consultoria de imagem é fundamental. Muito mais do que ter conhecimentos em moda, o especialista ajudará a construir um estilo que represente dentro da sua personalidade suas principais e melhores características. 

O mercado é vasto e os ganhos podem variar de R$ 200, a hora de um personal shoper, por exemplo, a R$ 1.500, a consultoria em uma empresa. Sophia Marins, consultora de imagem da “Power Couple” Taty Zatto e líder do City Circle Rio de Janeiro, que representa a Associação Internacional de Consultoras de Imagem (AICI), acredita que uma imagem vale sim, mais do que mil palavras. 

Você é formada em publicidade, correto?! Como você começou a sua carreira de consultora de imagem? 
Sou formada em Comunicação Social e Imagem é Comunicação. Bacharel em Publicidade, onde já aprendia o que as cores transmitiam inconscientemente para a marca como o vermelho e amarelo do MC Donald’s por exemplo. Como é uma profissão nova, hoje vejo que sempre estudei “Imagem” sem saber. 

Para você qual a importância da consultoria de imagem? 
Imagem é tudo. Quando você sai de casa, já comunica a todos muitas coisas sobre você sem falar absolutamente nada, chamamos de comunicação não verbal e depois disso tudo é analisado assim como a comunicação verbal, comportamento, ética, civilidade, respeito, tudo isso é inconscientemente subtraído pela mente e montando uma reputação sobre você. 

Como surgiu a oportunidade de entrar para a AICI?!
Como no Brasil não temos a graduação de Consultoria de Imagem, a Associação Internacional de Consultores de Imagem nos ajuda a aprender cada vez mais, fazer networking no mercado e elevar o conhecimento e a credibilidade de cada Consultor de Imagem. Ali você encontra profissionais como você no mundo todo. 

Você passou pelo processo para conseguir a certificação reconhecida mundialmente. Como foi?
Não foi fácil, mas foi muito gratificante. O dia em que vi que passei em todos os requisitos pulei em casa de felicidade. É muita dedicação, estudo, disciplina e muito trabalho. Mas ser parabenizada por pessoas que criaram a Consultoria de Imagem do mundo todo, em sua super humildade e ser reconhecida por elas, realmente é a hora que você pensa: uau, valeu a pena. 

O que você faz dentro da AICI?! Quais são suas responsabilidades?
Sou líder do City Circle Rio de Janeiro com mais duas consultoras: Karina Nunes e Priscilla Bello. O City Circle representa a AICI no Rio de Janeiro. Montamos a programação na cidade para Consultores de Imagem membro AICi e para não membros também. O objetivo sempre é elevar o conhecimento do consultor de imagem, além da união e networking para quem sabe um dia conseguirmos uma formação de verdade no Brasil. 

Você vai escrever um livro, correto?! Me conta sobre esse trabalho?! Como surgiu a ideia? Será sobre qual tema? 
Eu fiz um artigo científico sobre como a Imagem influência no mercado de trabalho, desde a entrevista de emprego, até se manter ou não dele. Comprovei no artigo que quase 90% das demissões no Brasil é devido ao comportamento inadequado, ou seja, Imagem. Esse comportamento pode ser na empresa, fora da empresa ou até mesmo na internet. Comprovei também que é “Legal”, ou seja, é permitido por lei essa demissão, pois os 13 itens de demissão por justa causa entram no universo da Imagem Pessoal. Acredito que no futuro a solução para isso, seria uma matéria no último período de todos os cursos de graduação sobre “Gestão de Imagem Profissional”, só assim os profissionais sairão preparados. Fui chamada para escrever sobre isso dentro de um livro de RH que o lançamento está previsto para final de 2019. 

Algo mais sobre a sua carreira que você queira nos contar?
Todo lugar que passo tento plantar uma sementinha para conscientizar a importância da nossa profissão. Muitas pessoas acham que é Moda e muitas adolescentes saem do segundo grau querendo ser consultoras de Imagem e escolhem fazer Moda. Na verdade, a Moda é um pontinho estratégico dentro do universo da Imagem Pessoal. Estou com alguns projetos de implantar a graduação no Brasil. Essa profissão nova (pois quantas profissões temos o prazer de ter as pessoas que criaram vivas ainda?). Apesar de nova, não para de crescer e o Brasil necessita muito dessa nova profissão. Muitas vezes em uma entrevista de emprego, uma pessoa é escolhida devido a ter o comportamento mais acessível do que aquelas que transmitem mentes fechadas, é muito mais fácil fazer cursos e treinamentos técnicos a alguém que não tem conhecimento técnico do que mudar o comportamento difícil de um profissional. Assim como em uma entrevista de emprego, se não estiver adequada na comunicação do seu vestuário, o entrevistador pode automaticamente bloquear tudo que você vai falar, mesmo com muito conteúdo. Se conseguirmos implementar nos últimos períodos de todos os cursos de graduação “Gestão de Imagem Profissional”, já vejo muitas melhorias para o mercado de trabalho no Brasil.

Foto: Taiza Guimarães

Ana Eliza Bussolo marca presença na Festa da Tainha em Floripa

Com diversos planos para o ano que vem, a atriz Ana Eliza Bussolo marcou presença na famosa Festa da Tainha nessa última semana.

Ana Eliza está com aproveitando o ano em Florianópolis, pois em janeiro do ano que vem, ela já está planejando seu intercâmbio para a cidade de Orlando, onde passará dois anos vivendo no estado da Flórida.

Do dia 4 a 8 de julho, subiram ao palco da XXVII da festa, a dupla Maiara e Maraisa, Althafr e Alexandre, Serginho Moah e outros sucessos que marcaram os shows em Floripa.

Fotos: Divulgação

Moranguinho comemora aniversário em clima de Romance

Ellen Cardoso, a Mulher Moranguinho, comemorou seu aniversário de 38 anos, ao lado do marido, o cantor Naldo, e da filha, Maria Victoria, de três anos, em Campos do Jordão, no interior do estado de São Paulo. A ex-dançarina apareceu em fotos no maior clima de romance com o amado durante um jantar romântico.

Foto: Divulgação

Marcos Freire e Fernanda Brum lançam clipe em parceria com a Usina Brasil

Foi lançado hoje, 16/07, o novo videoclipe do cantor Marcos Freire com participação da vencedora do Grammy Fernanda Brum. O single “Na Terra Como No Céu” já estava disponível em todas as plataformas digitais desde fevereiro deste ano e para a alegria dos fãs o vídeo oficial acaba de ser lançado em parceria com a produtora Usina Brasil.

Utilizando tecnologia de ponta, a produção levou para o set de filmagem câmeras de cinema para captação das imagens, além disso gravaram tudo em Chroma key dentro de um ambiente totalmente controlado para dar mais precisão na composição digital. A produção musical ficou por conta de Emerson Pinheiro e o trabalho tem distribuição exclusiva da Sony Music Gospel.

“Mais uma vez a Usina Brasil encarou um desafio daqueles, tivemos que unir a arte com a tecnologia para falar sobre o sobrenatural de Deus através de música e imagem. Foi maravilhoso trabalhar com a Fernanda e o Marquinhos, buscamos sempre parcerias com artistas que tenham grandiosidade na arte e no social, e neste caso a dupla transborda isso” dispara Deborah Cohen, diretora e gerente de projetos da Usina Brasil.

Este é o terceiro trabalho que a Usina produz para o cantor paraibano, mas o primeiro em que a empresa entra como parceira de um projeto do artista. Apesar de não ser uma produtora que trabalha exclusivamente para o gospel, a Usina já coleciona alguns projetos de sucesso como os videoclipes “Tua Graça” do feat de Priscila Alcântara e Cristina Mel e o recente lançamento da cantora Kemilly Santos, “Fogo e Glória”, que em duas semanas ultrapassou a marca de 1 milhão de visualizações.

Foto: Divulgação

Laura Pessoa estreia no musical ‘O Novo Alladin’

No último final de semana, a atriz e modelo mirim, Laura Pessoa, brilhou no palco. Ela fez sua estreia no musical ‘O Novo Alladin’, no Teatro Clara Nunes. Na peça ela interpretou uma menina sem casa e que vive na rua passando muitas necessidades. Diante de toda essa dificuldade seu caminho se cruza com o de Alladin. Nos dois dias o público lotou o teatro, se emocionou e encantou com todo o espetáculo. Uma estreia incrível! 

Foto: Divulgação

No dia Internacional das Drag Queens, Tchaka abre o coração e fala de Rupaul e como é ser drag no Brasil



“Ser Drag Queen no Brasil hoje além da arte que transforma, cutuca, propõe possibilidades, emociona é resistência e enfrentamento dos desmandos políticos com humor inteligente.”

Desde que o mundo é mundo homens se vestem de mulher como uma forma de arte. Da Grécia antiga, quando nascia o teatro, ao Kabuki no Japão, os papéis femininos eram feitos por homens, já que mulheres eram proibidas de se apresentar no teatro. Os tempos mudaram a arte drag também. Hoje dia 16/07 comemora-se o dia internacional das Drag Queens. 

O termo “drag” vem do verbo em inglês “to drag”, que significa arrastar em português. E se refere aos longos vestidos e roupas utilizadas na época. Logo Drag, virou um termo usado para os homens vestidos de mulher. O termo Queen, só foi adicional pela comunidade gay no século 20 e continua até hoje. As drag queens encontraram lugar na cultura pop e estrelam programas de TV, figuram nas listas das músicas mais tocadas e tem festas lotadas. Mas nem sempre foi assim, com as drag queens circulando tão livremente pela cultura popular. Nomes como Laddy Bunny, Gypsy, Divine, Rupaul entre outras, fazem história no cenário drag internacional. 

“RuPaul é uma espécie de nossa mestra mundial, Mama Ru assim chamada pelas #TheQueens de todo mundo me inspira a cada dia ser mais glamorosa, fina, elegante, politizada, bem humorada e extremamente atual. Tchaka Drag Queen além de ser nossa rainha das festas, pode ser considerada a RuPaul brasileira, pois sua meta diária é que produtoras de conteúdo nos programas brasileiros possam direcionar os holofotes para seu talento”. Explica Valder Bastos, advogado que dá vida a Tchaka há mais de 20 anos. 

No Brasil, o cenário drag nacional acompanhou de modo geral o internacional. Na televisão, não era estranho homens fazendo papéis de mulheres, especialmente os cômicos. Durante o período da ditadura, a comunidade gay, e consequentemente as drags, perdeu espaço público. Nos anos 90, a cena renasceu e as drags ganharam espaço em clubes e boates gays, especialmente de São Paulo. Márcia Pantera, Sylvetti Montilla, Miss Bia, Tchaka, Dimmy Kieer  e tantas outras ainda fazem do cenário lgbti o mais importante do país. 

“Ser Drag Queen no Brasil hoje além da arte que transforma, cutuca, propõe possibilidades, emociona, refresca, despressuriza, encanta e cria pontes para momentos de felicidade também é resistência, enfrentamento dos desmandos políticos com humor inteligente, visagismo inspirador para mundo da moda, fotografia, programas de tv, eventos corporativos, etc. Enfim nós drag queens somos o futuro no presente”, finaliza. 

Acompanhe a Tchaka Drag Queen no Instagram: instagram.com/tchakadragqueen