Com viés social, fórum debate, em São Paulo, jornalismo que cria laços, com presença de executivos do Google, Twitter e Facebook

“Os jornalistas atingem milhões de pessoas e podem fazer a diferença na sociedade “, explicou Tatiana Caneloi, gerente de marketing e comunicação da Casa Hope, no final do Fórum de Jornalismo Regional e Comunitário, realizado no início do mês, ao comentar a importância da participação da entidade no evento. “Apresentar aos formadores de opinião a causa do apoio biopsicossocial às crianças e jovens com câncer foi uma oportunidade especial e ficamos sensibilizados com a acolhida dos participantes”, completou a executiva da entidade que recebeu 300 quilos de produtos não perecíveis, da lista de necessidades da entidade, como alimentos e fraldas, que valiam como ingresso.

Promovido pela plataforma Negócios da Comunicação e pelo Cecom – Centro de Estudos da Comunicação, o evento ocorreu na Unibes Cultural, com a presença de cerca de 370 pessoas. O 2º Fórum de Jornalismo Regional e Comunitário teve a participação de marcasse nomes conhecidos da imprensa, da comunicação digital e do setor público e debateu A Comunicação que cria laços, focando nas práticas jornalísticas com viés social.

Durante um dia inteiro, editores e repórteres de veículos de comunicação, blogueiros, influenciadores digitais e comunicadores em geral puderam conhecer e debater as melhores práticas e plataformas para se produzir e disseminar um jornalismo engajado. Representantes do Facebook, Twitter e Google ensinaram as melhores formas de usar essas plataformas para divulgar notícias e torná-las relevantes em seus segmentos. Representantes da sociedade civil também apresentaram inciativas da prática de jornalismo cidadão, com projetos da periferia da cidade, e outros especialmente voltados para a realidade no interior do Estado.

Os executivos destacaram que boa parte dos veículos de imprensa ainda não usa todos os recursos disponíveis nas novas plataformas para tornar o jornalismo mais dinâmico e as relações com seus públicos mais engajadas. Com isso, é possível acreditar que o negócio possa se reinventar e manter-se imprescindível e sustentável.

Participaram do evento vários jornalistas que deram suas contribuições a partir de temas bem atuais. Entre eles, destacam-se Carlos Aros, diretor de Conteúdo da Jovem Pan News; André Azeredo, apresentador do SP no Ar, da Record TV; Cíntia Moreira Gomes, cofundadora e editora da Agência Mural da Periferia; Aline Origuela, gerente de Jornalismo da TV Tem Sorocaba; Aline Pagnan, coordenadora das edições online do Jornal da Região, de Jundiaí; Ana Maria Coluccio, editora do jornal São Paulo Zona Sul; Filomena Salemme, especialista em podcast e professora; Jeferson Martinho, diretor do Portal Visão Oeste, de Osasco; e Ubirajara de Oliveira, fundador e publisher do Jornal da Gente.

Tatiana Caneloi, da Casa Hope, agradece doações feitas durante o Fórum de Jornalismo na Unibes Cultural. Foto: Egydio Zuanazzi / Negócios da Comunicação

O evento também contou com executivos que apresentaram as tendências do setor, entre os quais Gustavo Poloni, diretor de parceiras de notícias do Twitter para a América Latina; Maíra Carvalho, gerente de parcerias estratégicas de mídia do Facebook; Rafael Corrêa, Head de Comunicação do Google Brasil; João Jabbour, diretor de redação do Grupo Cidade – Jornal da Cidade de Bauru, o JCNet e a rádio 96FM; Marcelo Santos de Moraes, professor da Faculdade Cásper Líbero e consultor; e José Carlos da Rocha, presidente do Fórum Democracia na Comunicação.

Entre os educadores e autoridades convidadas, o Fórum recebeu Carlos Costa, professor do Programa de Mestrado em Comunicação da Cásper Líbero; Marco Antônio Sabino de Souza, secretário Especial de Comunicação da Prefeitura da Cidade de São Paulo; José Geraldo de Oliveira, professor da Unip e consultor da TV Cultura; Cleber Mata, secretário de Estado da Comunicação do Governo do Estado de São Paulo; e Antônio Assiz, coordenador do curso de Jornalismo da Universidade Cruzeiro do Sul e sócio da produtora de vídeo Aramá Comunicações.

O evento foi encerrado com uma palestra de Eugênio Bucci, jornalista e professor titular da ECA-USP, sobre o tema Por que o Brasil precisa da imprensa – mais do que nunca e, contou, ainda, com uma homenagem à Associação Nacional de jornais, ANJ, pelos seus 40 anos de fundação.

INSTITUCIONAL CASA HOPE
Entidade 100% filantrópica, a Casa Hope apoia crianças e adolescentes no tratamento do câncer e transplantados de medula óssea, fígado e rins. A entidade oferece gratuitamente apoio para melhorar as condições físicas, psicológicas, sociais e educacionais visando a garantir a continuidade dos atendimentos de apoio durante o tratamento. Criada em 1996 por Claudia Bonfiglioli e pela advogada Patrícia Thompson, a Casa Hope está instalada hoje, em sede própria, no Planalto Paulista, Zona Sul de São Paulo, com 198 leitos
Atualmente, a entidade realiza eventos comemorativos e ações com a comunidade local para levantar recursos. Nessas ações, a participação dos voluntários é fundamental para o sucesso da empreitada. Levantar recursos é um dos desafios da Casa Hope, ao lado do acolhimento dos pacientes e famílias que lutam contra uma das doenças mais cruéis que atingem milhares de crianças e adolescentes no País.

Visite o site da Casa Hope – www.hope.org.br.
Endereço: Alameda dos Guainumbis, 1027, Planalto Paulista.
Tel.: 11 5056.9700.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *